Hanseníase

A hanseníase é uma doença infecciosa de evolução crônica. Permanece endêmica em várias regiões do mundo, principalmente na Índia, no Brasil e na Indonésia. Está relacionada à condições econômicas, sociais e ambientais. No Brasil, ainda é considerada um importante desafio em saúde pública.

A vigilância epidemiológica da hanseníase é fundamental para compreender a prevalência, incidência e distribuição da doença, permitindo o desenvolvimento de políticas públicas eficazes para prevenção e controle.

A notificação compulsória da hanseníase é um instrumento fundamental no sistema de vigilância epidemiológica para o acompanhamento e controle da doença. No Brasil, a notificação compulsória é regulamentada pelo Ministério da Saúde e representa uma ferramenta essencial para coletar dados precisos sobre a ocorrência da hanseníase em todo o território nacional.

A vigilância epidemiológica da hanseníase é um componente essencial dos sistemas de saúde, focado na coleta sistemática, análise e interpretação de dados relacionados à identificação da infecção até o monitoramento dos casos e contatos. Seu objetivo principal é fornecer informações cruciais para orientar políticas de prevenção, controle e tratamento, contribuindo para a redução da incidência e o impacto da hanseníase na população. Para isso, são utilizadas informações de diversos sistemas, como o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), Sistema de Investigação do Grau 2 de Incapacidade Física (SIGIF2), entre outros.

Aspectos importantes relacionados à vigilância epidemiológica da hanseníase:

Coleta de Dados:
  • Notificação Compulsória: A vigilância epidemiológica da hanseníase depende, em grande parte, da notificação compulsória de casos. Profissionais de saúde, laboratórios e outros serviços de saúde são obrigados a informar casos diagnosticados às autoridades sanitárias.

  • Sistemas de Informação: A coleta de dados é realizada por meio de sistemas de informação específicos, como o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Esses sistemas garantem a padronização e a consistência das informações coletadas em nível nacional.

Análise de Dados:
  • Avaliação do Perfil Epidemiológico: Os dados coletados possibilitam a identificação de perfis específicos da doença, como grupos etários mais afetados, distribuição geográfica dos casos e fatores de risco associados.

  • Identificação de Tendências: A vigilância epidemiológica permite a análise de tendências temporais, identificando variações na incidência ao longo do tempo. Essa análise é fundamental para prever e responder a mudanças no perfil epidemiológico da doença.

  • Monitoramento de Casos Específicos: Além dos casos em geral, a vigilância epidemiológica monitora casos especiais, como gestantes, crianças expostas e formas multibacilares da doença, fornecendo insights adicionais para estratégias de controle.

Definição de caso para notificação:

O Ministério da Saúde do Brasil define um caso de hanseníase pela presença de pelo menos um ou mais dos seguintes critérios, conhecidos como sinais cardinais da hanseníase:

  • Lesão(ões) e/ou áreas(s) da pele com alteração de sensibilidade térmica e/ou dolorosa e/ou tátil;

  • Espessamento de nervo periférico, associado a alterações sensitivas e/ou motoras e/ou autonômicas;

  • Presença do M. leprae, confirmada na baciloscopia de esfregaço intradérmico ou na biópsia de pele.

Os dados foram extraídos do SIM por meio do tabulador de informações em saúde Tabnet da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), com a seleção dos óbitos por DCNT, no período de 2010 a 2023 (dado preliminar).

ATUALIZAÇÃO DOS DADOS

Os dados estão disponíveis a partir de 2010. De acordo com o fluxo de registro das notificações, a base de dados do Sinan é atualizada semanalmente. Destaca-se que os dados publicados oficialmente pelo Ministério da Saúde (MS) por meio do Departamento de informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) referem-se a bancos de dados considerados fechados em uma data específica, o que pode variar a cada ano e gerar diferenças entre o quantitativo total de registros publicados no Tabnet/SES-MG e pelo Ministério da Saúde no site do Datasus/MS para um mesmo ano.

Como participar

Saiba como contribuir com a documentação deste conjunto de dados!

A documentação deste conjunto de dados está sendo feita de forma aberta e colaborativa no Github. Existem duas alternativas para enviar sua contribuição:

  • Pull requests: Para sugerir uma alteração concreta na documentação.

Todas as contribuições são bem vindas. Alguns exemplos são:

  • Indicação de expressões imprecisas presentes na documentação;
  • Sugestões para inclusão de descrições em campos específicos;
  • Sugestões para clareza na organização das ideias;
  • Correção de erros de ortografia e gramática.

Além disso, fique a vontade para utilizar os demais canais oficiais de atendimento do Poder Executivo Estadual:

Controle de alterações

Documentação das principais alterações sofridas por este conjunto de dados.

[0.1.0] - 2024-01-11

  • Versão inicial em homologação publicada

[0.1.0] - 2024-01-11

  • Versão inicial em produção publicada

Dados e recursos

Informações Adicionais

Campo Valor
Fonte http://vigilancia.saude.mg.gov.br
Autor Diretoria de Vigilância de Condições Crônicas
Mantenedor Diretoria Central de Transparência Ativa da Controladoria-Central do Estado
Versão 0.1.0
Última Atualização março 15, 2024, 05:36 (BRT)
Criado janeiro 12, 2024, 11:19 (BRST)
frequência de atualização mensal
profile data-package
resources_ids {"dados_hanseniase": "f28784c8-5648-4700-801c-8b2f70d2ff13", "datapackage.json": "b4b90516-ffb9-4cc2-b2eb-f5efffc7d068"}